Leia também!

Jogar Tetris bloqueia flashbacks de memórias ruins, diz estudo

Jogar Tetris ajuda a bloquear flashbacks de memórias ruins, de acordo com um estudo da Universidade de Cambridge, no Reino Unido. Os pesquisadores acreditam que o jogo pode ser um meio simples, porém importante para evitar o desenvolvimento da síndrome do estresse pós-traumático, uma doença comum...

Ler Notícia Completa

Microsoft lança plataforma para promover o uso de Minecraft como ferramenta de educação

Minecraft é um game de criação que não para de surpreender com as funções cada vez mais inusitadas que encontram para o game e, se o jogo já está sendo usado até para fazer "pixel art", por que não levá-lo para as escolas? Educadores como Sara Kaviar já estão usando o game como uma ferramenta pa...

Ler Notícia Completa

Professor brasileiro é premiado em programa para educadores da Microsoft

Um professor brasileiro Francisco Tupy foi premiado pelo programa Educator Exchange, promovido pela Microsoft e realizado em Seatle (EUA) no último mês. O evento reuniu educadores de todo o mundo com o objetivo de promover o uso da tecnologia na didática das escolas. O projeto do brasileiro pas...

Ler Notícia Completa

Notícia - Falando Sério

Infográfico: games estarão mais presentes na educação nos próximos anos

Durante muito tempo os jogos foram malvistos pelos pais e professores por serem consideradas formas de distração dos estudos, mas esse tipo de pensamento pode estar com os dias contados.

Infográfico: games estarão mais presentes na educação nos próximos anos

 

Divulgada no início do ano, a pesquisa NMC Horizon Report: 2014 Higher Education Edition, sobre as tendências tecnológicas para o Ensino Superior, apontou o uso mais frequente de games na educação como uma das mudanças previstas para os próximos três anos.

 

Os jogos são capazes de estimular características desejadas em futuros profissionais, como a criatividade, o trabalho em equipe e a capacidade de resolver problemas inesperados. Mas, afinal, como incluí-los nas rotinas acadêmicas?

 

Segundo o estudo, os games já são usados em algumas instituições norte-americanas e devem ser aderidos por um número cada vez maior de universidades sob a forma de desafios de conhecimentos e simulações digitais que oferecerão recompensas aos alunos, tais como medalhas e rankings.

 

Na Montclair University School of Business, nos Estados Unidos, por exemplo, os estudantes simulam que são diretores de uma empresa e jogam com competidores do mercado global, desenvolvendo o raciocínio profissional. São situações como essa que aumentam o apelo educativo dos jogos.

 

O professor Dr. Stavros P. Xanthopoylos, vice-diretor do IDE/FGV e vice-presidente da Associação Brasileira de Educação a Distância (ABED), afirma que os games já são usados no Brasil e, para darem certo, precisam atrair o interesse do estudante, o que não implica necessariamente em ter plataformas tridimensionais e afins. “É importante lembrar que o game nem sempre precisa ser em 3D. Ele precisa ser atrativo ao estudante, mas sem perder o foco, que é atingir o objetivo do aprendizado da melhor forma.”

 

Portanto, a pesquisa concluiu que nos próximos anos os games provavelmente perderão o aspecto de “problema” nas salas de aula e ganharão o status de ferramenta educacional. Você duvida?


Compartilhe essa notícia

Infográfico: games estarão mais presentes na educação nos próximos anos

Divulgada no início do ano, a pesquisa NMC Horizon Report: 2014 Higher Education Edition, sobre as tendências tecnológicas para o Ensino Superior, apontou o uso mais frequente de games na educação como uma das mudanças p...[clique e leia na íntegra]