Leia também!

Microsoft lança plataforma para promover o uso de Minecraft como ferramenta de educação

Minecraft é um game de criação que não para de surpreender com as funções cada vez mais inusitadas que encontram para o game e, se o jogo já está sendo usado até para fazer "pixel art", por que não levá-lo para as escolas? Educadores como Sara Kaviar já estão usando o game como uma ferramenta pa...

Ler Notícia Completa

Professor brasileiro é premiado em programa para educadores da Microsoft

Um professor brasileiro Francisco Tupy foi premiado pelo programa Educator Exchange, promovido pela Microsoft e realizado em Seatle (EUA) no último mês. O evento reuniu educadores de todo o mundo com o objetivo de promover o uso da tecnologia na didática das escolas. O projeto do brasileiro pas...

Ler Notícia Completa

Jogo de videogame foi a primeira coisa programada por Zuckerberg

Comemorando seus 31 anos, Mark Zuckerberg participou ontem de uma sessão de perguntas e respostas com funcionários do Facebook e até seus pais. Durante a conversa, o CEO defendeu do uso de videogame para crianças. "Eu definitivamente não teria conseguido crescer na programação se não tivesse jo...

Ler Notícia Completa

Notícia - Falando Sério

Colégio em Americana usa games para ensinar História

Procurando aplicar formas mais inovadoras de ensinar estudantes, a professora de História do Colégio Objetivo em Americana (SP), Marili Bassini, propôs um projeto diferente: Usar o conteúdo histórico presente em certos games para aprender mais sobre períodos como a Revolução Francesa e a Segunda Guerra Mundial.

"Observando o interesse dos alunos por jogos, eu comecei a perceber que eles tinham um fundamento histórico que poderia ser explorado em sala de aula de uma forma diferenciada, incentivando os estudantes a pesquisarem sobre o período tratado no jogo", explicou a professora no site de educação Porvir.

No projeto, grupos poderiam escolher qualquer jogo, desde que ele tivesse um "fundamento histórico". A partir daí, os estudantes deveriam pesquisar elementos do game - desde elementos narrativos até figurinos e arquitetura - e conferir se condiziam ou não com o período retratado.

"Eu orientava a pesquisa a partir dos pontos que chamavam a atenção deles, indicando sites e temas de estudo", explicou. "Eu também passava fontes na internet que não tinham informações fidedignas. Assim, eles aprenderam a refinar a busca. A primeira pergunta que fazem agora é 'mas quem escreveu'? Depois de um tempo, esse processo ficou natural, e eles aprenderam a questionar a informação".

No fim do projeto, os grupos apresentavam um vídeo sobre o game e seu período histórico. Para a professora, o resultado final foi melhor do que esperado.

"Nesse dia, aconteceu uma coisa que eu nunca tinha visto em 20 anos de profissão. Quatro grupos de alunos (dentre os 18 que estavam apresentando) me procuraram e pediram para tirar o trabalho deles da apresentação, alegando que queriam refazê-lo, já que tinha ficado inferior aos outros que estavam sendo exibidos."

"Por essa capacidade de autoavaliação, eu achei que o processo todo já tinha dado certo."

Até os alunos conseguiram notar um empenho maior por parte dos colegas em relação a outros projetos.

"Eu quero fazer História na faculdade, então em outros trabalhos tudo caia sempre em cima de mim porque 'ah, ela é boa, ela faz o trabalho inteiro sozinha", explicou uma estudante. "E nesse não. Eu fui tentar ajudar o pessoal do meu grupo, e falavam 'não, isso eu já pesquisei porque vi no jogo tal'."

De fato, para vários jogadores, um dos maiores apelos de séries como "Assassin's Creed" e "Crusader Kings" é a implementação de elementos históricos em sua narrativa ou sistemas de jogo.


Compartilhe essa notícia

Colégio em Americana usa games para ensinar História

Procurando aplicar formas mais inovadoras de ensinar estudantes, a professora de História do Colégio Objetivo em Americana (SP), Marili Bassini, propôs um projeto diferente: Usar o conteúdo histórico presente em certos g...[clique e leia na íntegra]