3

Leia também!

Youtuber britânico é culpado de criar rede de apostas ilegal com 'FIFA'

Na Inglaterra, o youtuber Craig Douglas, mais conhecido como Nepenthez, admitiu ser culpado de criar uma rede de apostas ilegal usando as moedas da série de jogos de futebol "FIFA". Douglas, junto com seu comparsa Dylan Rigby, criaram um site para apostas por meio de dinheiro virtual, e o youtu...

Ler Notícia Completa

Ronaldo Fenômeno compra parte de time brasileiro de League of Legends

Ícone no futebol brasileiro e mundial, e um dos atletas mais renomados do país, Ronaldo Nazário parece ter um faro aguçado para negócios nos esportes desde que resolveu pendurar as chuteiras. Um exemplo disso é que, há alguns anos, o ex-atleta resolveu apoiar o MMA, cuidando da imagem de nome com...

Ler Notícia Completa

Nova versão do aplicativo do YouTube para PS4 permite vídeos em 360° com o PS VR

A essa altura, diversos jogadores já estão curtindo aquilo que o PlayStation VR tem a oferecer no que diz respeito a jogos. Porém, era de se esperar que o acessório não ficasse apenas nisso, e agora os que possuem os óculos de realidade virtual também vão encontrar uma nova utilidade para ele no...

Ler Notícia Completa

Notícia da Web

Jogo apaga todo o seu progresso se você morrer demais

Quem se lembra da época em que os jogos apagavam todo o seu progresso quando você morria sabe que a sensação era desoladora. E é justamente essa sensação de desolação - ou a ameaça dela - que o estúdio Ninja Theory (por trás de jogos como "DmC" e "Enslaved: Odyssey to the West") parece querer capturar em seu título mais recente, "Hellblade", para PC e PS4. Se você morrer demais, o jogo apaga todo o seu progresso.

Um dos primeiros a perceber essa escolha controversa foi o gamer Mark Brown, que compartilhou no Twitter as mensagens com as quais o jogo explica essa mecânica. No começo da aventura, um texto afirma: "A podridão escura crescerá cada vez que você falhar. Se ela chegar à cabeça de Senua [a protagonista do jogo], sua jornada acabou. E todo o seu progresso será perdido". O tweet abaixo mostra esse momento:

Por mais que seja uma escolha radical de design de jogo, ela faz sentido com a história. A protagonista, Senua, é infectada logo no começo da história por uma doença que vai se espalhando por seu corpo com cada "morte" do jogador. O excesso de mortes é representado por essa doença chegando ao cérebro de Senua, o que o jogo traduz como a eliminação de todas as suas memórias - e do progresso do jogador.

Mas calma

Segundo o Kotaku, essa mecânica de jogo provocou reações exageradas logo que foi anunciada. Uma delas veio do youtuber "Totalbiscuit", que, sem ter sequer jogado "Hellblade", chamou a escolha de "datada, um desperdício estúpido do tempo de todo mundo". O site ressalta que mecânicas semelhantes já existem em outros jogos, como "XCOM" e "Diablo III", mas em forma opcional - e não obrigatória, como no caso de "Hellblade".

No entanto, o site também ressalta que a situação é bastante leniente: para que o jogador perca todo seu progresso, ele precisa morrer muitas vezes, em muitos pontos diferentes do jogo. Ben Barrett, do site PCGamesN, chegou a "testar" a mecânica, morrendo de propósito em diversas partes do jogo, e chegou à conclusão de que a mecânica é tão difícil de ocorrer que é praticamente um "blefe" dos desenvolvedores. Mesmo assim, ele considera que foi "uma decisão esperta" dos criadores.

Ao menos por enquanto, isso não impediu que o jogo caísse nas boas graças dos críticos. O site IGN deu ao título uma nota 9/10, chamando-o de "um conto vívido de escuridão opressora". O GameSpot, por sua vez, lhe deu nota 8/10 por sua "história cativante", "visuais deslumbrantes" e "sequências de combate intensas e satisfatórias". Por enquanto, ele tem uma nota de 81 no Metacritic. 


Compartilhe essa notícia

Mostre que você está vivo! Comente e interaja com outros gamers!

Jogo apaga todo o seu progresso se você morrer demais

Quem se lembra da época em que os jogos apagavam todo o seu progresso quando você morria sabe que a sensação era desoladora. E é justamente essa sensação de desolação - ou a ameaça dela - que o estúdio...[clique e leia na íntegra]